Noticias

Mira Amaral alerta para “forte risco” de a VW levar produção da Autoeuropa para Marrocos

Antigo ministro da Indústria pede “bom senso” aos trabalhadores da Autoeuropa, diz não perceber o braço-de-ferro na fábrica e alerta para “forte risco” de a VW levar produção para Marrocos.

Com uma nova paralisação dos trabalhadores da Autoeuropa no horizonte, o ministro que trouxe a Volkswagen para Portugal pede “bom senso” e avisa que há um “forte risco” de o fabricante automóvel levar a produção para Marrocos ou para a República Checa. Mira Amaral diz que sente “desgosto”, “pessimismo” e “preocupação” relativamente à atual situação da fábrica de Palmela.

“A Volkswagen fez um grande investimento na Autoeuropa e não vai sair de Portugal enquanto não estiver amortizado. Mas a partir desse momento, se não houver juízo, a Autoeuropa está em situação de desvantagem em relação a outras fábricas que ficariam encantadas por receber novas produções. Estou a lembrar-me da República Checa e de Marrocos, que está a ter uma expansão fabulosa e tem recebido investimentos da indústria automóvel europeia”, adiantou o antigo ministro da Indústria, numa entrevista ao Diário de Notícias.

 

Mira Amaral, que em 1991 enquanto membro do executivo de Cavaco Silva assinou a vinda da Volkswagen para Portugal, confessa que não percebe o impasse e o braço-de-ferro vivido há vários meses na Autoeuropa e pede aos trabalhadores que sejam “realistas”.

“A VW faz um investimento fabuloso num produto que já se sabe que vai ter grande aceitação. Criou mais postos de trabalho. Os trabalhadores da Autoeuropa têm, no contexto português, salários superiores a muitos colegas de outras fábricas. A fábrica tem todas as condições para singrar. Não querem trabalhar ao sábado? Pelo amor de Deus. Temos de ser realistas”, sublinhou.

 

Em finais de dezembro, os trabalhadores da fábrica de Palmela aprovaram uma nova greve para 2 e 3 de fevereiro, que — a concretizar-se — será a segunda em menos de seis meses. Cabe agora aos sindicatos decidir se a paralisação acontece ou não, e nem todos estão a favor.

Entretanto, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa volta a reunir com a administração para discutir os novos horários, que esta segunda parte diz serem necessários para cumprir a produção de 240 mil veículos do novo modelo, até ao fim de 2018. A partir de 29 de janeiro, e até agosto, os operários terão de trabalhar seis dias por semana, divididos em 17 turnos: três períodos de segunda a sexta e dois ao sábado (ao fim de semana, a renumeração dobra).

Fonte: Sapo

Comentários Facebook
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentes

Portugal Livre - 2018

To Top